Ensinar e aprender nas novas condições da era digital: desafios para contextos de leitura e escrita transformados

Janaina Minelli de Oliveira, Patrícia Rodrigues Tanuri Baptista, Lílian Arão

Resum

Este trabalho apresenta uma análise de alguns dos desafios experimentados por educadores e instituições de ensino na era digital. Elabora-se uma reflexão sobre a cibercultura e a construção do conhecimento, avaliando as consequências desse fenômeno para as práticas de ensinar e aprender leitura e escrita em entornos transformados pelas tecnologias da comunicação. Superando noções das primeiras teorias da comunicação,  se adota uma perspectiva discursiva para argumentar que o ato comunicativo na atualidade deve ser compreendido como uma ação complexa, constitutiva do sujeito sócio-histórico, motivado por sua intencionalidade. Desta forma de ver a leitura e a escrita, desprendem-se desafios como a redistrituição da autoridade nos contextos educacionais, os novos papéis atribuídos aos sujeitos que participam do processo de aprendizagem, assim como a própria troca interlocutiva mediada pela tecnologia. A era digital instaura processos de ressignificação da experiência de ensinar e aprender, na qual todos os envolvidos estão alicerçados pela busca da coconstrução do conhecimento que se dá, concomitantemente, de forma autônoma e cooperativa.


Paraules clau

era digital; tecnologia; ensino; comunicação; discurso

Referències


Baker, M.J., Quignard, M., Lund, K. & Séjourné, A. (2003). Computer-supported collaborative learning in the space of debate. In B. Wasson, S. Ludvigsen & U. Hoppe (Eds.) Designing for Change in Networked Learning Environments : Proceedings of the International Conference on Computer Support for Collaborative Learning 2003, pp. 11-20. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.

Benveniste, E. (1958). Problemas de linguística geral I. Campinas: Pontes, 1988,p.285.

Bereiter, C., & Scardamalia, M. (1993). Surpassing ourselves: Aninquiry into the nature and implications of expertise. Chicago: Open Court.

Carneiro, M.; Geller, M.; Passerino, L. Navegando em Ambientes Virtuais: Metodologias e Estratégias para o Novo Aluno. Disponível em:< http://www.ufrgs.br/nucleoead/documentos/carneiroNavegando.pdf>. Acesso em 24 maio 2016.

Charaudeau, P. (2006). Discurso das mídias. São Paulo: Contexto.

Chartier, R. (1994) Do códex à tela: as trajetórias do escrito. In: CHARTIER, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília, DF: UnB. p. 95-111.

Coscarelli, Carla Viana. Reading multiple sources on line. Disponível em:< www.rsd.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/viewFile/1147/809>. Acesso em 02 jun.2016.

Crook, C. (1996). Computers and the collaborative experience of learning. New York: Routledge.

De Oliveira, J. M., Henriksen, D., CastaD., Casta.Marimon, M., BarberB, E., Monereo, C., C Mishra, P. (2015) The educational landscape of the digital age: Communication practices pushing (us) forward (Special Issue). RUSC. Universities and Knowledge Society Journal, Vol. 12, No. 2, pp. 14–29. doi:http://dx.doi.org/10.7238/rusc.v12i2.2440

Dillenbourg, P (2000). Virtual learning environments. Workshop on virtual learning environments. Retrieved from http://tecfa.unige.ch/tecfa/publicat/dil-papers-2/Dil.7.5.18.pdf

Eco, U. (1979) Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva.

Freire, P. (2003) Pedagogia da autonomia - saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Harasin, L. et al (2000). Redes de aprendizaje. Guía para la enseñanza y el aprendizaje en red. Barcelona: Gedisa.

Jewitt, C. (2006). Technology, literacy, learning: A multimodality approach. London: Routledge.

Lave, J., & Wenger, E. (1991). Situated learning: Legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press.

Lemos, André. Cibercultura como território recombinante. Disponível em: < http://www.com.ufv.br/cibercultura/wp-content/uploads/2014/02/01.-Andr%C3%A9-Lemos-Cibercultura-como-Territ%C3%B3rio-Recombinante.pdf>. Acesso em: 02 jun.2016.

Lévy, P. (1999). Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34.

Kress, G. (2006). Meaning, learning and representation in a social semiotic approach to multimodal communication. In A. McCabe, M. O’Donnell, & R. Whittaker (Eds.), Advances in Language and Education (pp. 15–39). London: Continuum.

MARI, H. (2016) Linguagens, discursos e tecnologias.Conferência Programa de Pós-graduação em Estudos de linguagens. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. 23 fev. 2016. Texto impresso, p.3.

Moran, J. M. (2003) Contribuições para uma pedagogia da educação online. In: SILVA, M. (org.) Educação online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo, Loyola.

MORAN, J. M. Educação inovadora na sociedade da informação. Disponível em: . Acesso em 24 maio 2016.

Pretti, O. (2002). Fundamentos e políticas em educação a distância. Curitiba: IBPEX.

Rogoff, B. (1993). Aprendices del pensamiento. El desarrollo cognitivo en el contexto social. Barcelona: Paidós.

Soares, M. (2002) Novas práticas de leitura e escrita: letramento digital. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v23n81/13935.pdf>. Acesso em: 31 maio 2016.

Soek A. M; Gomes, D. L. (2008) As relações de ensino/aprendizagem na Educação a Distância e o trabalho do tutor como mediador do conhecimento. In: Revista Intersaberes/ano3 n. 6, p. 166 - 176 | ISSN 1809-7286.

Vygotsky, L. (1978). Mind in society: The development of higher psychological processes. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Wenger, E (2001). Comunidades de práctica. Aprendizaje, significado e identidad. Barcelona: Paidós.




DOI: https://doi.org/10.17345/ute.2016.1.975



Enllaços refback

  • No hi ha cap enllaç refback.