Escassez e eficiência ambientais: Uma nova perspectiva nas relações internacionais

Rafael José Nadim de Lazari, Ricardo Pinha Alonso, Marcelo Mazin

Resum

A proposta do artigo é expor o binômio escassez & eficiência em uma abordagem ambiental, na perspectiva das relações internacionais. Atualmente, quando se traz à luz a temática sustentabilidade ambiental, em âmbito global, não se pode olvidar de trazer à baila realidades importantes do século XXI. Essas realidades são representadas pelo processo de globalização que, embora possua um forte viés financeiro, por sua vez envolve uma multiplicidade de fatores sociais, culturais, jurídicos, econômicos, tecnológicos etc. Nesse diapasão, também é necessário lembrar que no plano internacional a sustentabilidade ambiental, quando ligada à escassez e eficiência, remete a questões de soberania estatal e, consequentemente, ao recente fenômeno de relativização da soberania – um importante vértice da crise do Estado nacional. Embora, de forma sobremaneira sintética, a dinâmica que envolve a escassez e eficiência ambientais, no palco das relações internacionais, traz ínsito o questionamento acerca de sua razoabilidade em vista do imenso custo social, sob os auspícios da comunidade internacional, para se manter o ciclo contínuo de crescimento do modelo econômico concentrado e acumulativo. Com vistas a alcançar o objetivo pretendido utilizou-se de pesquisas bibliográficas baseadas em obras correlatas, trabalhos científicos, legislações e doutrinas especializadas.


Paraules clau

Escassez; Eficiência; Meio ambiente

Referències


ALONSO, Ricardo Pinha. Os direitos fundamentais sociais e o controle judicial das políticas publicas. PUC/SP, 2012. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/6019/1/Ricardo%20Pinha%20Alonso.pdf. Acesso em: 3 jan. 2021.

AMARAL, Gustavo. Direito, escassez & escolha: critérios jurídicos para lidar com a escassez de recursos e as decisões trágicas. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

ARGENTINA. Constitución de la Nación Argentina. Editorial Universitário de Buenos Aires, 2004.

ARAÚJO, Kátia Patrícia de. Reserva do possível: os direitos fundamentais frente a escassez de recursos. Revista Acadêmica, vol. 83, 2011, p. 423/470.

BODIN, Jean. Les six livres de la République (French Edition). Éditions Myriel. Edição do Kindle, 2017.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Obra coletiva de autoria da editora saraiva com colaboração de Antônio Luiz de Toledo Pinto et al. 37. ed. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2005.

CALIENDO, Paulo. Tributação e ordem econômica: os tributos podem ser utilizados como instrumentos de indução econômica? Rev. direitos fundam. democ., v. 20, n. 20, jul./dez. 2016, p. 193-234.

CAVALCANTE, Denise Lucena. Novos horizontes da tributação: um diálogo luso‐brasileiro: Sustentabilidade financeira em prol da sustentabilidade ambiental. Coimbra: Almedina, 2012.

CHESNAIS, François. Mundialização do capital, regime de acumulação predominantemente financeira e programa de ruptura com o neoliberalismo. Revista Redes, Santa Cruz do Sul, v. 3, n. 1, 1998, p. 185/212.

COLOMBO, Silvana; SPAREMBERGER, Raquel Fabiana Lopez. A relativização do conceito de soberania como condição para proteção do direito fundamental ao meio ambiente. Revista da USP Direito, Estado e Sociedade, n. 49, 2016, p. 208/233.

DALLAZEN, Dalton Luiz; LIMA JÚNIOR, Joel Gonçalves de. Tributação e ordem econômica. Revista Argumentum. Marília/SP, ano 9, nº 09, 2008, p. 39/60.

DIAS, Genebaldo Freire. Antropoceno: iniciação à temática ambiental. São Paulo: Gaia, 2016.

ELKINTON, John. Canibais com garfo e faca. São Paulo: M.Books do Brasil, 2012.

ELKINGTON, John. Gree Swan. Fast Company Press. New York: New York, 2020.

FERRAJOLI, Luigi. A soberania no mundo moderno. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FREITAS, Juarez. Sustentabilidade: direito ao futuro. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

GODOY, Sandro Marcos. O meio ambiente e a função socioambiental da empresa. Birigui/SP: Boreal, 2017.

HAWKING, Stephen. Brief answers to the big questions. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2019.

ITÁLIA. Constituzione Italiana. Introduzionedi Giangiulio Ambrosini. Torino: Piccola Biblioteca Einaudi, 2005.

KISSINGER, Henry. Diplomacy. Edição do Kindle. São Paulo: Saraiva, 2012.

KISSINGER, Henry. Ordem internacional. Edição Kindle. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

LAZARI, Rafael de. Manual de direito constitucional. 3. ed. Belo Horizonte: D’Plácido, 2019.

MADARIAGA, Francisco Javier González. Ecoeficiencia: propuesta de diseño para el mejorameinto ambiental. Guadalajara: Editorial Universitaria, 2013.

MATIAS, Eduardo Felipe Pérez. A humanidade e suas fronteiras: do Estado soberano à sociedade global. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

MICHAELIS. Dicionário de língua portuguesa. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/axioma/. Acesso em: 12 jan. 2021.

OLIVEIRA, Emerson Ademir Borges de. A Constituição brasileira ao alcance de todos. Belo Horizonte, São Paulo: D’Plácido, 2020.

OLIVEIRA, Flávio. Ecoeficiência: a gestão do valor ambiental. EPSE Editora. Edição do Kindle, 2007.

RAWORTH, Kate. Economia donut: uma alternativa ao crescimento a qualquer custo. Rio de Janeiro: Zahar, 2019.

ROEGEN, Nicholas Georgescu. La bioeconomia. Spain: Montesinos, 2006.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. Edição do Kindle. Porto Alegre: L&PM Editores, 2007.

SÁCHICA, Luis Carlos. El ordenamiento juridico andino y su Tribunal de Justicia. In: El Tribunal de Justicia del Acuerdo de Cartagena. Montevidéu: BID-INTAL, 1985. p. 5-26.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento includente, sustentável sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

SHAFIR, Eldar; MULLAINATHAN, Sendhil. Escassez. Kindle. Rio de Janeiro: Best Business, 2016.

SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

TAVARES, André Ramos. Direito constitucional econômico. São Paulo: Editora Método, 2003.

VEIGA, José Eli. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.




DOI: https://doi.org/10.17345/rcda3046



Enllaços refback

  • No hi ha cap enllaç refback.


Copyright (c) 2021 Revista Catalana de Dret Ambiental